Menu fechado
Pacote de Artes para Corretor de Seguros editáveis com Canva

Cobertura de alagamento tem valores reduzidos

Em reportagem produzida pelo portal CQCS sobre as consequências da tragédia no Rio Grande do Sul, que destruiu milhares de casas, o vice-presidente da Fenacor na Região Sul, Ricardo Pansera, explicou que, em relação ao seguro residencial, embora a cobertura de alagamento estipule ressarcimento, o valor ainda fica abaixo das perdas efetivas. “Em um seguro padrão, de mercado, aquela seguradora que disponibiliza (cobertura para alagamento) não é só para imóvel. É para imóvel e conteúdo. Só que ela não é adequada para o valor do patrimônio, porque normalmente se perde tudo, e o valor segurado é muito baixo. Então nós vamos ter que rever isso aí, porque vai ter uma demanda maior e nós vamos ter que atender a sociedade”, destaca Pansera, que também é vice-presidente Administrativo-Financeiro do Sincor-RS.

Segundo a reportagem, dados da Federação Nacional de Seguros Gerais (FenSeg) mostram que em todo o Brasil são 12,7 milhões de imóveis segurados, o que corresponde a 17% das casas e apartamentos. Mas menos de 1% possuem cobertura contra alagamentos. A maioria tem o contrato básico, contra incêndio, raio e explosão, por exemplo. Os outros danos, que incluem alagamento, desmoronamento, inundação e vendavais precisam ser contratados à parte. E poucos incluem estes itens nos seguros residenciais.

No Sul, desde o início das fortes chuvas, em 26 de abril, seguradoras têm registrado crescimento na procura pela contratação de apólices. A estimativa da Escola de Negócios e Seguros (ENS) é de que haja um boom de 20% em novos seguros.

O cálculo é do coordenador de graduação da ENS, José Varanda, que explica o aquecimento no setor diante de desastres ambientais, como ocorreu no início do ano na região serrana do Rio de Janeiro.

Varada explica que a média do custo de um seguro anual varia de R$ 400 a R$ 600 dependendo do que é contratado. Ele orienta que as coberturas precisam levar em conta as regiões de risco onde cada pessoa mora. “Se você contrata um seguro residencial, vai estar lá incêndio, raio e explosão. Depois, as coberturas adicionais, você deve ir acompanhando e olhando uma por uma para ver a necessidade. Essa, por exemplo, de inundação e alagamento é necessária para vários imóveis, dependendo da localização. Tem que olhar para ver a necessidade. Também vendaval, furacão, ciclone e tornado está dentro de uma única cobertura que a pessoa tem que olhar para ver qual o tamanho do estrago que ela pode ter. Os valores segurados a partir daí para a frente para cada cobertura”, explica.

Outra diferença leva em conta o seguro residencial e o habitacional. O residencial é aquele contratado de forma opcional pelas famílias. E dependendo do tipo de cobertura contratada, há possibilidade de proteção não só do imóvel, como também dos bens que constam na casa. Já o seguro habitacional é obrigatório na hora de fechar um financiamento. Dados da Caixa Econômica mostram que existem, hoje, 5 milhões e 100 mil imóveis com Seguro Habitacional:

O diretor-executivo Comercial e de Produtos da Caixa Seguridade, Edgar Soares, explica que para esses casos já existe a cobertura fixa por alagamento. “O seguro habitacional tem a previsão que trata de inundação e alagamento e, portanto, todos os tomadores de crédito imobiliário da Caixa têm esse seguro contratado. O outro seguro, o residencial, protege o conteúdo do imóvel, ou seja, tudo o que foi adquirido pelas pessoas para preencher aquele imóvel. Dentro dessa dinâmica, cada uma dessas coberturas, que são oferecidas aos clientes, eles podem fazer a opção de contratar ou não cada tipo de cobertura e qual o valor que essa pessoa quer para cada um dos itens”, reforça.

Já a CNseg – Confederação Nacional das Seguradoras prevê que o desastre no Rio Grande do Sul possa acelerar a votação de um projeto na Câmara que prevê novas coberturas diante de tragédias climáticas. Uma das propostas é a criação de um Seguro Social de Catástrofe, que prevê indenização emergencial de R$ 15 mil por moradia, paga no dia seguinte ao desastre ou logo após a decretação do estado de emergência ou de calamidade.

[ Ler a notícia completa ]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *